Sunday, Jun 25th

Última actualização:08:25:23 AM GMT

Manchetes:
Você está aqui: Secção Estudantil Informação geral Secção de Apoio aos Estudantes (SAE)
 
na Rússia
 
Angola

Secção de Apoio aos Estudantes (SAE)

education-png-3É uma estrutura criada pelo INABE (Instituto Nacional de Bolsas de Estudo) para, no Exterior do país, ali aonde existe um numero de bolseiros igual ou superior 300 (trezentos), sob tutela do INABE.
É uma estrutura que, funciona no âmbito da Representação Diplomática, na qualidade de estrutura que vela pelos estudantes bolseiros. Possui autonomia financeira e depende directamente do INABE.
Criada nos anos 91/92, resulta da necessidade que se fazia sentir no descongestionamento dos Sectores Financeiros e Consular das Embaixadas de Angola que, pelo elevado número de bolseiros, a dada altura ficavam praticamente absorvidas pelo trabalho de atendimento aos estudantes, em detrimento das demais atribuições dos referidos Sectores. É assim que estas Secções surgem particularmente nas Embaixadas de Angola na antiga URSS, Cuba, Portugal e Brasil, devido ao número de estudantes concentrados nesses países.

A SAE trata especificamente das questões sócio-académicas dos bolseiros a expensas do INABE.
De entre outras funções inerentes ao cumprimento dos pressupostos dos estatutos do bolseiro angolano no exterior do país, a SAE ocupa-se do controlo dos bolseiros do INABE, quer do ponto de vista académico como social, assegura a chegada dos bolseiros, o pagamento dos suplementos de bolsas durante o período de formação e o respectivo repatriamento uma vez terminada a formação.
O total de bolseiros, a expensas do INABE e assistidos pelo SAE no ano lectivo 2009/2010, na Federação da Rússia e CEI é de 432, dos quais 11 são pós-graduandos.
Desta cifra, no entanto, 71 são bolseiros a expensas totais do INABE (os chamados bolseiros integrais), 212 estudam a expensas do Governo Russo (os chamados bolseiros de cooperação), usufruindo do INABE apenas do suplemento de bolsa, e 149 estudantes não bolseiros que desde o ano lectivo de 2008/2009 recebem da parte no INABE, um apoio no pagamento das propinas (os chamados estudantes do apoio).
Os bolseiros a expensas do INABE, usufruem de um suplemento de bolsa, mês, de 500.00USD, para os de licenciatura e 1500.00USD,para os pós-graduandos.
A SAE tem um horário de atendimento aos bolseiros, as segundas quartas e sextas-feiras das 10 as 15 horas. O intervalo para o almoço é das 13 às 13 e 30 minutos.
Bolseiros, são todos os indivíduos que, tendo beneficiado de uma bolsa de estudo, ocupam-se de estudar, dentro ou fora do país. Porém, no presente caso, o INABE apenas tem responsabilidades para com aqueles cuja vinda para o exterior do país em formação decorreu da atribuição de uma bolsa pelo INABE.
Para se ser bolseiro do INABE, o interessado deve dirigir-se a esta instituição, que é a única que pode decidir pela atribuição da bolsa de estudo a quem solicita. Um critério que, regra geral, passa pela necessidade de formação de quadros de que o país carece.
De outra forma e porque é a essa Instituição que também cabe o controlo e distribuição das quotas de bolsa oferecidas por diferentes países para a formação de quadros para Angola, como é o caso das cerca de 60 bolsas que são anualmente oferecidas pelo Governo Russo para a formação de quadros para Angola, os interessados também podem concorrer a um desses lugares, desde que possuam os requisitos exigidos pela parte doadora, de que se destaca o bom estado de saúde, bom aproveitamento académico, com notas compatíveis às cadeiras nucleares dos cursos desejado, óptima conduta social e com idade não superior a 25 anos.
Na Rússia e países da CEI (Ucrânia e Bielorrússia), os bolseiros Angolanos encontram-se predominantemente a fazer cursos técnicos é a prioridade do Governo de Angola neste momento.
Importa sublinhar que os problemas que se registam, geralmente, no que concerne à admissão dos bolseiros para determinado ramo técnico, têm a ver com a fraca preparação dos candidatos, fundamentalmente nas disciplinas de matemática, física e química e no decurso da formação, o fraco nível de aproveitamento académicos, o que leve aos bolseiros a solicitarem a mudança para cursos humanitários.  
Na história académica dos bolseiros Angolanos na Rússia e CEI, em termos de nível de formação, para além de vários milhares de licenciados e mestres, registam-se já um número considerado de doutorados.
A importância e dimensão do programa de formação de quadros angolanos na Rússia e países da CEI, que data desde os primórdios da luta de libertação de Angola do jugo colonial português, pode-se medir no facto de terem já sido formados mais de 10.000 quadros para os diferentes ramos da vida Nacional. Isto é de tal modo visível que é impossível encontrar em Angola um Organismo ou Ministério que não tenha quadros formados na Rússia ou na CEI, muitos dos quais a ocuparem cargos elevados na hierarquia do Estado Angolano.