Saturday, Aug 17th

Última actualização:08:25:23 AM GMT

Manchetes:
Você está aqui: Publicações Notas de imprensa, Artigos, Reportagens Rússia: Revista diplomat destaca Angola
 
na Rússia
 
Angola

Rússia: Revista diplomat destaca Angola

Versão para impressão
2003-11_magazine_diplomat_Angola constitui o destaque da penúltima edição da revista “Diplomat”, de grande tiragem na Rússia (dez mil exemplares nas línguas russa e inglesa), publicada recentemente em Moscovo.

A começar pela capa ilustrada com uma fotografia do embaixador de Angola na Rússia, Roberto Leal Monteiro “Ngongo”, tendo como fundo a bandeira do País, a edição de Novembro da revista dedica vinte páginas a assuntos inerentes a vida política, económica e socio-cultural de Angola, destacando-se a mensagem dirigida aos leitores pelo ministro angolano das relações exteriores, João Bernardo de Miranda.

O chefe da diplomacia angolana inicia o seu texto com uma introspecção sobre a História de Angola fazendo referência à luta armada contra o colonialismo português, que durou 14 anos, ou seja até 1975, altura em que foi proclamada a independência
“Essa época – recorda João Miranda – era, como os leitores sabem, marcada pela guerra fria que dividia o mundo por duas esferas de influência ideológica. Angola foi por isso mergulhada também nessa confluência de interesses políticos”.

Segundo o ministro, assim se entende, por que o nascimento e afirmação do novo Estado independente se fez à custa de uma enorme resistência contra todas as adversidades, consubstanciadas em guerras civis alimentadas por interesses estrangeiros

“Lograda a Paz, Angola procura a estabilidade económica e social dos seus habitantes, pelo que se propõe empreender diligências tendentes a realização de uma conferência internacional de doadores para dar solução aos efeitos do pós-guerra”, sublinha João Miranda, que pontualiza o processo de reinserção na sociedade dos ex-militares das forças beligerantes e das suas famílias, dos mutilados de guerra, órfãos e viúvas de guerra e o reassentamento de cinco milhões de pessoas deslocadas pela guerra.

João Miranda esclarece que o Governo angolano empreende medidas para a reorganização da economia nacional, a reconstrução do País e a criação de condições para o investimento privado, aflorando os aspectos principais da nova legislação nesta matéria

O ministro conclui o seu texto convidando os investidores russos a apostar em Angola, “um País viável e de futuro, onde tudo ainda está por se descobrir e explorar”.

Por sua vez, o embaixador de Angola na Rússia, General Roberto Leal Monteiro “Ngongo”, na extensa entrevista que concedeu à revista “Diplomat” abordou vários aspectos da cooperação bilateral principalmente no domínio diamantífero e energético, em que pontificam os projectos “Catoca” e “Kapanda”, respectivamente.

O embaixador “Ngongo” fez igualmente alusão as iniciativas de carácter cultural que a missão diplomática que dirige desenvolve anualmente e que produzem maior visibilidade da imagem positiva de Angola junto da sociedade russa e dos círculos políticos, empresariais e diplomáticos na Federação da Rússia.

Moscovo,  aos 31 de Decembro de 2003.